Jantar convívio no âmbito do Dia Mundial da Alimentação e do Dia de São Martinho

No passado dia 16 de novembro de 2017, na Escola Sede do Agrupamento de Escolas de Búzio, os alunos do nível básico e secundário, do Curso de Educação e Formação de Adultos, juntamente com os formadores, realizaram um jantar convívio no âmbito do Dia Mundial da Alimentação e do Dia de São Martinho.

Os formandos Sónia, Ricardo, Catarina e Eduarda e as formadoras Clara, Teresa, Margarida, começaram as suas tarefas às 15:30h. Iniciaram esta atividade preparando os alimentos para, posteriormente, serem confecionados. De seguida, e já na cozinha, demos inicio à preparação da Sopa de Pedra. Enquanto esta estava ao lume, organizamos outras tarefas: cortamos a broa, preparamos as bebidas e pusemos a mesa.

A entreajuda foi fantástica entre os formandos e os formadores, salientando-se também o trabalho exemplar da dona Aldina.

A hora do convívio aproximou-se e o jantar iniciou-se às 20:00h. Estavam presentes membros da Direção (Prof. Pedro Martins e a Profa. Sandra Mónica), outros docentes (antigos professores dos formandos e a professora responsável pela biblioteca escolar, Prof a. Cristina Filipe).

A ementa consistiu na deliciosa Sopa de Pedra, acompanhada de broa caseira de milho e limonada. À sobremesa foram servidos cartuchos com as saborosas castanhas assadas no fogareiro e ainda gelatina.

O diálogo, a cooperação, a colaboração, a amizade, a solidariedade e o respeito entre os demais foi excecional. Será oportuno que momentos destes se repitam, porque são, sem dúvida, uma mais-valia para a comunidade educativa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Formação sobre Suporte Básico de Vida

Decorreu nos dias 8 e 9 de novembro de 2017, no auditório da Escola Sede do Agrupamento de Escolas do Búzio, uma formação sobre Suporte Básico de Vida dirigida para os formandos e formadores dos cursos EFA, nível básico e secundário. A formação foi dada pelo bombeiro e formador de socorrismo da Escola Nacional de Bombeiros, Armando Pinho, estando este a exercer a sua profissão nos Bombeiros Voluntários de Vale de Cambra.

Após toda uma palestra sobre como socorrer uma vítima de paragem cardiorrespiratória (CIA), os presentes tiveram a oportunidade de simular uma situação destas com dois manequins trazidos pelo bombeiro.

De seguida, e depois de toda uma avaliação da segurança, os socorristas tentaram encontrar sinais de vida na vítima. Caso esta não respondesse, pedir-se-ia por ajuda e far-se-ia o VOS (ver, ouvir e sentir). No entanto, se se comprovasse que a vítima não respirava, era simulada uma chamada para o 112. Nessa chamada tinham de indicar o local exacto, sexo e idade aproximada da vítima, informando que a mesma se encontrava em paragem cardiorrespiratória. Posteriormente, iríamos dando resposta, de forma calma e concreta, às perguntas colocadas pelo atendedor. No caso de saber fazer manobras de reanimação, tentaríamos colocar em prática os nossos conhecimentos e, quando a vítima desse um sinal de vida, era repetido o VOS para confirmar. Se respirasse, lateralizáramo-la e ficaríamos de vigia.

Por fim, os participantes foram ainda informados sobre outras doenças e modo de tratar uma vítima de trauma.

Esta foi, sem dúvida, uma experiência enriquecedora e uma mais valia para a nossa formação.

_MG_7962 (1)

“Levantar do Chão”

Passada a grande vaga de incêndios que atingiu o nosso país é chegada a hora de recomeçar.

Nesse sentido, a Escola Sede do Agrupamento de Escolas do Búzio organizou a campanha Levantar do Chão, que consistiu numa recolha de bens essenciais para as habitações, de modo a ajudar famílias afectadas pelos incêndios em Oliveira de Frades.

Devido à grande oferta foi necessária a participação das turmas EFA, nível básico e secundário, no dia 30 de Outubro, para organizar todos os bens recolhidos.

Foi feita a divisão dos materiais por utilidade e, de seguida, a contagem dos mesmo, para mais tarde os responsáveis saberem quantas famílias poderão vir a ajudar.

Tudo aquilo que se encontrava em bom estado foi devidamente encaixotado para no dia seguinte ser enviado para as entidades competentes.

Com um pequeno gesto podemos fazer muito pelos outros. Fica, desde já, uma palavra de agradecimento a todos aqueles que colaboraram. Bem-haja!

 

 

Chamar a música

Decorreu no passado dia 23 de Outubro, pelas 21h30, na biblioteca da Escola Sede do Agrupamento de Escolas do Búzio, a actividade “Chamar a Música”, a fim de comemorar o dia Mundial da Música e o mês das Bibliotecas Escolares. Na actividade participaram os alunos do curso EFA em parceria com a Academia de Música de Vale de Cambra.

A apresentação ficou ao encargo da professora Cristina Filipe, responsável pela biblioteca da escola, que de uma forma ligeiramente informal conduziu as apresentações ora musicais ora literárias.

O prof. Marco Maia juntamente com o prof. Miguel Sousa deram início à actividade brindando os presentes com a apresentação da peça “Nocturno” de F. Strauss.

Seguiu-se a formanda Sónia Pereira com a Leitura do “Poema Ecológico”, que alertou o auditório para a necessidade de cuidar da Mãe Natureza.

Mais um momento musical, e foi com o clarinete que o prof. José Ventura interpretou W. A. Mozart, acompanhado pelo prof. Patrick Monteiro.

“As palavras”, de Eugénio de Andrade, foi o poema escolhido e declamado pela formanda Eduarda Gaspar para a actividade.

Foi a vez do aluno da Academia de Música, João Calção, nos saudar com o seu trompete, ao som de “Concert Study”,de A. Goedicke, acompanhado pelo prof. Miguel Sousa no piano.

Também o prof. Tiago Santos, com a sua flauta transversal, juntamente com a prof. Sílvia Lopes no piano nos brindaram com da peça musical “Milonga sin palavras”, de A. Piazzolla.

É de conhecimento público que recentemente o nosso país enfrentou uma mortífera vaga de incêndios e foi nesse problema que o formando Ricardo Sousa centrou a sua apresentação, com a leitura de uma “Carta”, de autor anónimo, mas o qual se sabe que exerce a profissão de militar da Força Aérea. Enquanto decorria a leitura passou um vídeo com imagens dos grandes fogos que afectaram o nosso país.

A actividade foi encerrada pelos professores Sílvia Lopes, Tiago Santos e Filipe Soares que interpretaram quatro peças musicais.

Estiveram presentes nas comemorações alguns elementos da direcção do Agrupamento e da organização, assim como os formadores do curso e os formandos. Sendo a actividade aberta ao público alguns familiares e pessoal não docente marcaram também presença.

received_1474314262646402received_1474313305979831received_1474313295979832

Visita à Bel Portugal

No dia 3 de Abril de 2017 os formandos e formadores do Curso EFA níveis Secundário e Básico, realizaram uma visita às instalações da Empresa Bel Portugal.

Esta empresa possui duas fábricas em Portugal, em Vale de Cambra e Ribeira Grande, Açores. Emprega 550 trabalhadores nas duas fábricas.

Produz 6000 toneladas de queijo por ano, sendo que a marca principal é o queijo Limiano, em bola e fatias. A marca Terra Nostra é produzida em barra nos Açores e fatiada e embalada em Vale de Cambra.

O leite vem de produtores de Chaves, Vila do Conde, Trofa, Vagos e, em pequena quantidade, de Vale de Cambra.

A visita permitiu-nos observar todo o processo de transformação do leite em diferentes tipos de queijo, bem como as tecnologias utilizadas para fatiar e embalar o produto final.

Deve-se salientar a tecnologia de ponta utilizada, representada pelo trabalho realizado por um robot que retirava o queijo dos moldes e colocava em tabuleiros.

Tivemos a oportunidade de constatar o forte controlo a nível de higiene e segurança, na medida em que fomos obrigados a utilizar, nas secções que nos foi permitido visitar, um vasto equipamento de protecção individual (EPI), constituído por: bata, luvas, máscara, touca, supressores de ruído e protetor de sapatos.

Finalmente, para repor energias, foi-nos oferecida a degustação dos diversos produtos fabricados pela empresa.

Visita a uma vacaria em Tagim

No dia 28 de Março de 2017, os formandos e formadores dos cursos EFA, níveis Básico e Secundário, visitaram a vacaria do Sr. Ricardo Silva.

Visitamos as instalações e vimos todo o processo de recolha de leite, bem como a maquinaria utilizada. Esta vacaria tem, no total, 130 vacas embora apenas 58 estejam a produzir leite porque só o podem fazer a partir do terceiro ano de vida.

Cada vaca produz 28 litros de leite por dia em duas tiragens de 12 em 12 horas. A produção é vendida à Lactogal, que a recolhe de dois em dois dias, ficando este, devidamente armazenado num tanque de refrigeração.