Exploração da balança algébrica de quatro pratos

Nos dias 27 de Fevereiro de 2012 e 01 de março de 2012, a turma Efa Básico B3/4, teve uma experiência inédita no âmbito dos cursos de Educação e Formação de adultos: a utilização de balanças algébricas na resolução de equações. Assim, e sobre este instrumento didático, temos o seguinte, retirado da experiência

“Exploração da balança algébrica de quatro pratos”, no ProfMat2004-Covilhã, no dia 1 Outubro 2004, sendo seus autores os professores de Matemática: Filomena Rodrigues, Helena Martinho, Hernâni Parente,(respectivamente, EB 2,3 de Lamaçães, em Braga, Universidade do Minho, Braga e Secundária de Vale de Cambra)

 Balança Algébrica

A balança algébrica de quatro pratos fornece uma maneira original de modelar e explorar, no nível do concreto, os conceitos e os procedimentos relacionados com os números inteiros, as equações e as desigualdades. Esta balança é constituída por quatro pratos. Dois pratos são amarelos e funcionam como uma balança normal de dois pratos. Os outros dois pratos são vermelhos e caracterizam a balança algébrica.

A manipulação dos elementos da balança fornece uma base experimental para o desenvolvimento de ideias abstratas. Os alunos poderão aqui representar fisicamente equações e resolvê-las. A balança explora a noção de equilíbrio físico e a sua metáfora na resolução de equações. Metáfora que, em particular, permitirá aos alunos desenvolverem estratégias para a resolução de equações.

O seu uso em tarefas cooperativas de grupo incentiva as crianças a explorar, discutir e fazer conjeturas. Entre outras coisas, esta ferramenta permite:

  • facilitar a compreensão algébrica;
  • estudar conceitos pré-algébricos, nomeadamente o cálculo da soma de números inteiros relativos;
  • investigar a resolução de tarefas desde a simples troca dos membros de uma equação até à resolução de um sistema de equações do 1º grau;
  • incentivar o trabalho cooperativo, estimulando o discurso, melhorando as suas capacidades comunicativas à medida que, em conjunto exploram conceitos algébricos.

A opinião dos formandos desta turma do EfaBásico B 3/4. Todos manifestaram-se através da seguinte ideia:

“Gostei muito de recordar a resolução de equações através deste utensílio muito original. Nunca pensei que fosse possível utilizar uma balança para a resolução de equações. Mas entendi a sua importância para fixar a ideia do equilíbrio e assim, sequencialmente, obtermos equações equivalentes e “todas equilibradas”. Muito obrigado pela experiência”.

Hélder Ferreira, como representante desta turma.

Anúncios

Cursos EFA têm talento!!

Depois da sua excelente prestação na sessão de entrega de diplomas dos cursos EFA, no passado dia 14 de julho, com arranjos decorativos de frutas e legumes laminados verdadeiramente surpreendentes, ei-los de novo em ação no mundo das artes decorativas, demonstrando grande talento e mestria nos trabalhos produzidos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Falamos, é claro, dos formandos da turma B3/4, do curso EFA, nível básico, que se encontram neste momento a desenvolver o seu segundo tema de vida intitulado Desvendar os segredos da flora aromática.

E foi precisamente com esse objetivo em mente que os formandos partiram à descoberta das plantas da flora local, pesquisando em diferentes suportes (internet, enciclopédias, etc.), os seus benefícios para a saúde e os seus artifícios culinários.

A fim de melhor reconhecerem e compreenderem todo o processo relacionado com o cultivo, produção e comercialização dessas plantas, assim como os diferentes profissionais envolvidos em todo este processo, formandos e formadores decidiram visitar dois locais distintos, a quinta do fitoterapeuta, António Gomes, em Rossas, Arouca, e o Cantinho das Aromáticas, uma empresa que se dedica à produção e comercialização de plantas aromáticas, medicinais e condimentares, situada em Canidelo, Vila Nova de Gaia.

O conhecimento adquirido ao longo de todas as etapas do seu trabalho foi muito vasto, constituindo um enorme incentivo para a sua divulgação junto da população valecambrense.

Para tal, os formandos encontram-se, neste momento, a elaborar diversas peças de artesanato, tais como sacos de tecidos pintados à mão para chá, lanche, pão, etc., tendo como fim último a venda de produtos, por eles cuidadosamente preparados e selecionados, tais como chás, plantas condimentares, entre outros produtos agrícolas.

Desta forma pretendem dar a conhecer os benefícios das plantas na manutenção de um estilo de vida saudável.

 

 

Visita de Estudo ao Cantinho das Aromáticas

No passado dia 31 de outubro, formandos e formadores do curso EFA Básico, do Agrupamento de Escolas do Búzio, deslocaram-se ao Cantinho das Aromáticas, uma empresa que se dedica à produção e comercialização de plantas aromáticas, medicinais e condimentares, situada em Canidelo, Vila Nova de Gaia.

Esta atividade, conduzida pela engenheira agrónoma, Raquel Barbosa, teve como finalidade proporcionar aos formandos um contacto próximo com plantas aromáticas, medicinais e condimentares e permitir um aprofundamento dos seus conhecimentos no âmbito das profissões relacionadas com o cultivo, produção e comercialização dessas plantas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Leia abaixo o relato do que se passou, contado pelos formandos participantes nesta atividade:

“A engenheira agrónoma, Raquel Barbosa, recebeu-nos e levou-nos a visitar três estufas; na lojinha recebemos informações sobre os aspetos logísticos referentes a cada um dos produtos.”

“Observei mais o tomilho bela-luz porque é uma planta substitui o sal.”

Almerinda Almeida

“Recebemos informações sobre as plantas aromáticas, medicinais e condimentares.”

“Observei mais a plantinha que sabe a leitão.”

Glória Bastos

“Viajamos por campos repletos de plantas aromáticas.”

“Observei mais atentamente a quantidade de plantas que ali se encontravam para depois serem vendidas para fins medicinais e outros fins.”

Hélder Martins

“O que mais observei atentamente foi a área da lúcia-lima pelo aroma que emanava.”

Isaura Azevedo

Apreciei atentamente a rúcula e a planta que faz bem à sinusite.”

Na lojinha recebemos informação sobre diferentes aspetos referentes a cada um dos produtos das plantas de que gostamos mais.”

Margarida Oliveira

“A engenheira agrónoma levou-nos a visitar três estufas. A primeira é a que está aberta ao público para a venda de produtos; na segunda é feita a preparação dos vasos e na terceira é feita a secagem e embalamento das plantas.”

Maria Alice Almeida

 

“Pelos campos das aromáticas vimos o mirante da D. Inês e do seu amor. O que chamou mais a minha atenção foi a área de plantação da planta lúcia-lima, uma vez que era uma área muito grande.”

Maria do Carmo Oliveira

 

À descoberta da flora aromática

No passado dia 10 de Outubro, os formandos do curso EFA Básico do Agrupamento de Escolas do Búzio deslocaram-se à quinta do fitoterapeuta António Gomes, em Rossas, Arouca com o objetivo de aprofundarem os seus conhecimentos sobre ervas aromáticas e medicinais.

Este grupo de formandos iniciou a preparação da visita de estudo cerca de duas semanas antes. Após a definição dos objetivos da mesma, integrada no tema de vida:”Desvendar os segredos da flora aromática”, os formandos iniciaram a pesquisa em livros, DVD’S, reportagens televisivas e Internet sobre plantas medicinais, aromáticas e condimentares.

Ao longo da pesquisa muitas foram as dúvidas que surgiram, sobretudo no que respeita à identificação das plantas.

Para ultrapassar essa dificuldade, todos os formandos colheram plantas que consideraram importantes para a temática e organizaram o seu herbário com extratos de plantas, a denominação as suas propriedades e aplicações, entre outras informações relevantes.

No dia e hora marcados, os formadores e formandos rumaram em direção à quinta do Sr. António Gomes, em Rossas, sem esquecerem os seus herbários.

Na presença do fitoterapeuta, os formandos colocaram todas as questões decorrentes da investigação efetuada.

Na dúvida sobre a aplicação das folhas do mirtilo, o Sr. António referiu também que o grupo afirmando que o chá da planta do mirtilo deve ser consumido por diabéticos porque ajuda a produzir insulina. Combater as traças dos armários é fácil se colocarmos folhagem de tenacete.

Os formandos ficaram a saber que nos seus campos há muitas ervas com propriedades medicinais como é o caso da tanchagem habitualmente colhida para o gado e que pode ser muito benéfica no combate às infeções da próstata e vias respiratórias.

Podemos referir também a planta dente de leão conhecida pelas crianças pela designação “o teu pai é careca” que prolifera pelas nossas hortas e jardins que pode ser utilizada em salada ou chá, aproveitando raízes e folhagem para aumentar a produção da bílis, sendo adequada para o tratamento de problemas de fígado. Uma outra planta que abunda pelas nossas valetas é a escrofulária, muito útil na limpeza do sangue, prevenção e cura de quistos nos ovários e peitos.

Muitos foram as plantas que reconhecemos e aprendemos a valorizar, tais como a parietária, o hissopo, a erva das 7 sangrias, o arroche, a erva de S. Roberto, o alecrim, a urtiga-branca, a ulmária, a artemísia e tantas outras que estão ao nosso alcance. A formanda Alice Almeida declarou ter gostado muito da visita de estudo. Apreciou o local, situado numa bacia de arvoredo muito verde onde abundava a água e notou que o espaço, ladeado de choupos, lhe transmitiu uma sensação da tranquilidade e paz.

As restantes formandas partilham desta opinião, e a Glória Bastos acrescenta que o Sr. António, mostrou-se sempre muito simpático e disponível para ajudar, e incentivou o grupo a produzir e a comercializar as suas próprias plantas. Além dos muitos conhecimentos sobre o poder curativo das ervas que partilhou com os formandos também explicou como proceder à secagem, e embalamento das mesmas, bem como à elaboração das etiquetas, fazendo recomendações diversas, mesmo relativamente à importância do poder da comunicação na venda destes produtos. Os participantes apreciaram muito a visita de estudo por a considerarem interessante, agradável e muito válida no aprofundamento dos seus conhecimentos. Todos ficaram com vontade de plantar e preservar essas plantas, assim como de as  utilizar no seu quotidiano, partilhando as mesmas com familiares e amigos.

Turma B3/4 causa sensação na sessão de entrega dos diplomas

No passado dia 14 de Julho a turma B3/4 dos Cursos de Educação e Formação de Adultos fez a apresentação pública do seu projeto de frutas e legumes laminados na sessão de entrega de Diplomas EFA. A turma soube estar à altura de tão nobre acontecimento, presenteando os convidados com arranjos decorativos deslumbrantes, de fazer crescer a água na boca.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Esta atividade contou com a prestimosa colaboração do formador Nuno Relvas e  das professoras Manuela Coval e Fernanda Paz.

Parabéns a todos os envolvidos pelo excelente trabalho!

Workshop de frutas e legumes laminados

No âmbito do Tema de Vida “Nós somos o que comemos”, a turma B3/4 dos Cursos de Educação e Formação de Adultos, do nosso agrupamento, participou num workshop sobre artes decorativas com frutas e legumes laminados, uma atividade dinamizada pelo formador Nuno Relvas que contou com a colaboração da coordenadora dos cursos EFA e de alguns formadores da turma.

O empenho e entusiasmo dos formandos nesta atividade foi permanente, sendo o resultado final verdadeiramente surpreendente, conforme se pode constatar nas fotos abaixo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Com esta atividade pretendia-se preparar os formandos para a apresentação pública de frutas e legumes laminados, na sessão de entrega de Diplomas EFA, a qual decorreu no dia 14 de Julho.